Numa dessas tardes raras de ócio absoluto resolvi colocar a leitura em dia. Peguei um livro de Jonas Bloch, que adquiri em feliz sessão de autógrafos na livraria da travessa. Me deparei com a história de um Pãe.Para quem não sabe, Pãe é o nome dado a bravos guerreiros que são pai e mãe ao mesmo tempo. E percebi que também faço parte dessa classe. Meu filho mais velho, Victor, só conheceu o pai aos 7 anos de idade, pelas várias artimanhas da vida. Meu pequeno, Enzo, já com 6 anos mora há 4 comigo, visitando o pai apenas nas férias. Então, é oficial: sou Pãe. Para quem se acostumou com meus textos suaves e coloridos sobre o dia das mães, prepare-se: vocês vão descobrir o lado oculto de minha vida…

Sim, porque ser Pãe é quase surreal. Dizem que mãe é ternura e pai é autoridade. E Pãe? Surta de 15 em 15 dias… Afinal temos que contrabalançar sentimentos quase opostos durante todo o tempo: amor e respeito, carinho e disciplina, dureza e flexibilidade…E isso durante as 24 horas do dia, sem folgas…O mais interessante é que no caso de Jonas Bloch ele teve que criar duas meninas e eu tenho a incumbência de dois homenzinhos. Não imagino o que poderia ser mais difícil: um pai lidando com tpm ou uma mãe lidando com mudanças de voz, o primeiro desodorante…Mas o resto, deve ser bem parecido: escovar os dentes, conferir as notas, ensinar obrigado, com licença e desculpa, implorar para ele se comportar na casa do amiguinho:

-Pelo amor de Deus filhinho, finge que você é um lorde dinamarquês!

Lógico que ele nunca ouviu falar em nenhum lorde, mas entende que tudo aquilo que aprendeu – e nem sempre usou – deve ser colocado em prática pelo menos nessa hora.

Mas tem as suas compensações. Jogamos futebol sem regras ( obviamente por não conhecê-las ),vídeo game sem a menor preocupação, damos piruetas, cambalhotas, inventamos números de circo e malabarismos com a vida. Me assusto com o 42 do tênis do Victor e com a notória safadeza de Enzo. Sei jogar ” bafo”, aprendi o nome dos heróis das figurinhas, desenhos, e me preparo para comprar presentes de dia dos namorados…ai,ai. Mas me orgulho ao vê-los crescendo, criando corpo e espírito de futuros pais. De quebra, ganho demonstrações de carinho que – acho – só filhos criados com Pães devem ter. Poemas inteiros feitos por Victor agradecendo pela disciplina e amor que a Pãe dá… Ser tirada para dançar por um doce Enzo no meio do pátio da escola no dia da festa junina…É… nesse misto de dureza e manteiga derretida, meus filhos me abraçam e me beijam sem nenhuma vergonha. Dizer EU TE AMO é a coisa mais natural do mundo e lágrimas e risos são compreendidos e liberados da mesma forma.Depois da dureza vem a ternura e ser Pãe é ter a felicidade – e a loucura – de dois mundos. Até que não foi tão difícil assim…

Anúncios

4 comentários sobre “PÃE

  1. Na minha casa é a mesma coisa, mas tenho um casal. Uma filha de 18 anos que se “revoltou” e foi morar sozinha e o Miguel de 13 anos, também com seus jogos, internet, desodorantes, xampus e perfumes. E sem contar nas “coleguinhas” de quem eu morro de ciúmes! Mas compensa demais os beijos, abraços e “eu te amo” que ganho sempre!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s